Total Pageviews

Sunday, July 21, 2019

Corrida de Carrinho de Rolimã


Virada Cultural BH 2019


A virada cultural de BH este ano, 2019, mostrou mais uma vez que a cultura tem envergadura
para resistir e superar a censura e a ditadura.

Com mais de 400 atrações espalhadas na cidade, fora as extraoficiais que insistem em permanecer e enriquecer ainda mais a virada que espalha arte, culinária e alegria pela diversidade.

Pareceu uma exposição de arte na rua, musicas e contações de estórias nos parques, caminhadas terapêuticas, musicas eletrônicas, poemas, literatura, saraus.

Quem caminhou viu de tudo e mais um pouco, até manifesto e manifestações contra a cesura, contra o fascismo judicial, contra as trevas do obscurantismo.

Era um baile de favela, uma carnaval fora de época, uma noite em museus, uma festa julina na rua, com direito a corrida de carrinho de  rolemã, hio hpo,skate, stret dance, forró e samba.

Foi uma virada mineira com tropeiro e quentão, com muita emoção e multidão de gente nos trens culturais da Belo Horizonte.

Saturday, July 20, 2019

Memória apagada de nossas origens.

https://janioribeiro.blogspot.com/2019/07/os-quatros-grupos-nativos-brasileiros.html

    Eu não me lembro de estudado na escola nos idos da Ditadura Militar a história dos nossos povos nativos, se constava na grade curricular de ensino, o assunto era batido sem muita reflexão, aliás reflexão, pensamento, idéias eram coisas tipo proibido a época.  Tenho sondado outras pessoas de outros locais e que frequentaram outras escolas, o resultado é que pouco se sabe sobre esta memória esquecida do nosso povo ancestral.

    Hoje em muitas escolas esse estudo aprofunda um pouco mais, ensina-se ao menos,  que ainda há tribos no Brasil e que herdamos costumes, pratos culinários, palavras dos nossos povos primitivos.

     Nas Universidades há muitas teses e estudos, no entanto a memória enquanto fio condutor do que somos se perdeu, poucos lembram de suas origens indígenas, poucos sabem como se deu a formação do povo brasileiro.

     



Os quatros grupos nativos brasileiros

RENOVAÇÃO: Recordando com saudades....Colonização do Brasil.....
Os primeiros colonizados foram os Tupis 

Tupi: Os grupos indígenas de língua tupi eram as tribos tamoio, guarani, tupiniquim, tabajara etc. Todas essas tribos se encontravam na parte litorânea brasileira, foram os primeiros índios a ter contato com os portugueses que aqui chegaram.
Essas tribos eram especialistas em caça, eram ótimos pescadores, além de desenvolver bem a coleta de frutos.

Macro-jê: Raramente eram encontrados no litoral, com exceção de algumas tribos na serra do mar, eles eram encontrados principalmente no planalto central, neste contexto destacavam-se as tribos ou grupos: timbira, aimoré, goitacaz, carijó, carajá, bororó e botocudo.
Esses grupos indígenas viviam nas proximidades das nascentes de córregos e rios, viviam basicamente da coleta de frutos e raízes e da caça. Esses grupos só vieram ter contato com os brancos no século XVII, quando os colonizadores adentraram no interior do país.

Karib: Grupos indígenas que habitavam a região onde hoje compreende os estados do Amapá e Roraima, chamada também de baixo amazonas, as principais tribos são os atroari e vaimiri, esses eram muito agressivos e antropofágicos, isso significa que quando os índios derrotavam seus inimigos, eles os comiam acreditando que com isso poderiam absorver as qualidades daqueles que foram derrotados. O contato dessas tribos com os brancos ocorreu no século XVII, com as missões religiosas e a dispersão do exército pelo território.

Aruak: Suas principais tribos eram aruã, pareci, cunibó, guaná e terena, estavam situados em algumas regiões da Amazônia e na ilha de Marajó, a principal atividade era os artesanatos cerâmicos.


Thursday, July 18, 2019

Domingo no Parque (21/07/2019)


Resultado de imagem para parque rola moça

Belo Horizonte - Parque Estadual da Serra do Rola-Moça
Atividade: Trilha Duas Quedas
Horário: 8h
Ponto de Encontro: Centro Integrado de Operações
Inscrições: http://twixar.me/mgd1
Informações: (31) 3581-3782 ou educa.rolamoca@meioambiente.mg.gov.br.

https://www.umdianoparque.net/

https://www.hojeemdia.com.br/horizontes/um-dia-no-parque-acontece-neste-domingo-em-parques-e-reservas-de-minas-veja-a-programa%C3%A7%C3%A3o-1.728580


Tuesday, July 16, 2019

Virada Cultural aquece o inverno em BH


 


    Neste final de semana acontece a Virada Cultural em BH com várias atrações

PROGRAMAÇÃO DA VIRADA CULTURAL DE BELO HORIZONTE 2019

Virada Cultural de Belo Horizonte 2019 Dias 20 e 21 de julho -

Evento gratuito Programação sujeita a alteração.

 (Afonso Pena entre Carandaí e São Paulo) Domingo - 08:00 às 17:00 Feiras que convidam a repensar a dinâmica de consumo e que colocam o foco em artistas e produtores locais. Nas palestras e lançamentos, o foco é conscientização, por meio de prosas, poesias e quadrinhos: Síndrome de Down, adoção de animais, autismo, racismo, ciência, descobertas, cultura. Hippie / Canga ~ Feira / Cio da Terra - Coletivo de mulheres migrantes / Coletivos de Artesãs da Educação Integral / Discoteca Pública / Gibi Sebos / Feira de Arte Impressa / Feira Fresca / LBJarts - Exposição de artesanato / Marcial Ávila / Perifeira / Pó de Nuvem Bazar Itinerante / Teff Cakes / Sheila Artesanatos Lançamento e palestras (horários em definição) O Infinito de Lótus - Raquel Junqueira Guimarães (literatura) Patas, pontos e vírgulas - Simone Andere (literatura) Unidas pelo Autismo - Marcela Valadão Ferreira (literatura) Racismo em Comunicação - Proposições docentes em tempos de retrocessos - Nilma Alves Adriano (literatura) A sola dos pés respira melhor quando toca o solo - Tristão Macedo (literatura) Coleção de livros “Cientistas incríveis, descobertas sensacionais – em quadrinhos” - Adriana Moura (literatura) Roteiro do Terceiro Setor - Tomaz de Aquino Resende (literatura) Instituto Mano Down - Léo e Dudu (palestra)

Informações: www.viradacultural.pbh.gov.br Acompanhe no Facebook e Instagram: @viradaculturalBH #ViradaBH FEIRAS

https://bhaz.com.br/wp-content/uploads/2019/07/VIRADA-l-programa%C3%A7%C3%A3o-2019.pdf

Friday, July 12, 2019

Não há democracia na tirania: Um poema a Paulo Henrique Amorim

Resultado de imagem para paulo henrique amorim
Quando comecei a escrever esse poema: PHA ainda nos brindava com seus videos denunciando a censura e a tirania da antiga pátria das chuteira. 

A democracia virou uma palavra vazia,
usada em discursos de final  do dia
para homologar práticas tiranas
nepóticas, hereditárias da ortodoxia.

Rasgando a fantasia o poema explica a simples teoria.
Se a democracia é votar e ser votado, muitos tiveram esse direito negado
com títulos eleitorais cancelados (1)
e o líder na pesquisa da última eleição sem prova condenado(2)
e depois descobre que o juiz era com o proclamado  um comunado. (3)
Organizar-se  em sindicatos por exemplo, está cada vez mais complicado
As minorias indígenas  tem sido alvo de milicias e o direito a terra negado.

A maioria entre seus pares já são não decide indicações em Tribunais
Voltou a censura a informação na imprensa e na transparência da divulgação.
Nem votação elege Reitores ferindo a liberdade nas Universidades Federais
Jornalistas de direita e de esquerda sendo demitidos por delito de opinião.
Enquanto a religião é citada por juízes no lugar da constituição.


                                                                                    Janio Ribeiro

Fontes Bibliográficas:


Sunday, July 07, 2019

Tem poema e poesia no ENEM 2019



              Você sabia que cerca de 20% da prova de linguagem é sobre a linguagem poética?


Seguidores

Blog Archive