Total Pageviews

Tuesday, November 15, 2016

Respingos de uma res pública



     Pela janela a chuva mostra seus pingos
     eles caem lentamente mas são constantes
     pontuam um texto qualquer de uma data qualquer
     véspera de feriado
     proclamação da república
     dizem que os tempos estavam nublados
     que o rei foi embora, mas ficou a espada
     que reino se foi mas a corte ficou
     exilou-se o monarca e ficou a monarquia
     coligada com os barões do café
     com os militares vitoriosos da guerra contra o paraguai
     dizem que o erro do rei
     dentro tantos,
     um erro político inaceitável
     foi deixar uma mulher libertar os negros
     o patriarcado do café e senhores do engenho não perdoariam
     não que a monarquia fosse santa
     mas ela findou-se com gestos nobres
     enquanto a república nasceu pelo ódio dos senhores de escravo
     pela magoa dos militares e pelo oportunismo dos monarquistas.
     entre deodoros e florianos
     mas poeta, é assim mesmo, o povo é apenas um
     traço acrescentando a pintura pelos pinceis do tempo
     o protagonismo do povo é lindo nos manifestos
     e nos versos de um maiakoviski,
     a violência é a parteira da história,
     em nome dela muitas vidas foram ceifadas
     e muitos discursos proferidos
     mas a verdade é que a dialética ainda
     espera seus atores principais
     dispostos a fazer valer os princípios
     basilares de um republica - a coisa pública
     de todos e para todos
     resta a utopia
   
   
                                                     
   
   


 

Monday, November 14, 2016

Surrealidades de um quase quarenta









Um dia a gente acorda e descobre que está perto dos 40 anos. Depois não acha graça nenhuma em ver a filha descobrindo sua idade e comemorando o fato de você ser mais velho que o pai da amiguinha dela. “Venci Papai você é mais velho que o pai da Manoela!”
Depois a gente olha ao espelho do elevador do prédio e percebe a incrível quantidade de fios brancos de cabelo e não vê charme nenhum nas chamadas mechas brancas. Nem no papo de que está envelhecendo bem como o vinho. Lembra que o seu pai perto dos quarenta tinha menos cabelos brancos e já especulava sobre viver até os 50 anos, está vivendo até hoje graças a Deus.
Em seguida você decide tentar a sorte no ENEM, o último foi na era FHC do apagão e da greve de que deixou o povo sem gás de cozinha. Ficava lá na fila com a velha carriola o dia inteiro para tentar um botijão. Mas voltando ao ENEM, seis meses depois de um golpe. 
No primeiro dia dá de cara com um Shakespeare perguntando: Ser ou não ser? Está ai uma questão eternizada pelo tempo.  Alternativa B ou E. Mas de repente você lembra que a cada ENEM surgem novas polêmicas, que metade dos inscritos farão a prova em outras datas, porque os locais estão ocupados por estudantes ocupados PEC 55 e a PEC 241. Contra o futuro sombrio projetado pelo governo Temer, um governo sem voto, sem educação, sem moral. Um golpista e ponto final.  E lembra que lá se vão seis meses deste desgoverno que vem retirando direitos, gastando mais e cortando investimentos. Daí você olha ao lado e vê uma senhora de 70 anos fazendo a prova com muito entusiasmo, vira ao outro e uma menina devora três caixas de BIS (chocolate), um a um, num ritual existencial de respostas, é um BIS para cada questão, mas a prova de matemática é no domingo.
E de repente ouve gritos de atrasados gritando no portão. Fechado há quase 40 minutos.  Tenta concentrar novamente na leitura da prova. Sente um aroma no ar de café sendo coado em alguma casa vizinha. Olha pela janela e vejo o tempo nublado. Lembra novamente das Escolas Ocupadas contra o corte na educação e responde uma questão sobre Descartes sobre a autonomia do ser pensante.
Em resumo: Acerta questões complexas e erra questões fáceis. Ser ou não ser eis as questões. E quando a gente fica na duvida entre as cinco é porque a coisa está feia. E o gabarito com respostas distintas. Erra no do O Globo e acerta no Pré Federal. Mas a gente aprende que falar de poesias e linguagens é tão complicado como calcular a densidade absoluta de uma razão. E acerta a média de produção que garante a permanência do gerente, e quando a palavra veio feito pedra de João Cabral de Melo Neto a decodifica como também o faz na mudança de estado da acción poética em Lima: No Super que ponerme y me puSe Feliz. Sim tem poesia no ENEM. Questões contra o machismo e a discriminação a imigração. Quase fecha filosofia com Descartes, mas tinha Nietche no caminho. Chuta sem culpa a química desorgânica.
No domingo segura a onda por mais de quatro horas por um caderno cinza, acerta Marx em linguagem. Mas erra o sonho mexicano “Al sonar que um cantáro.
E por ultimo disserta sobre a espiritualidade política como um dos caminhos
No combate a intolerância religiosa. Há se a escola dele estivesse ocupada pela educação, seria uma figura de linguagem, uma metalinguagem, traduzindo o paradoxo de um governo sem voto, sem direito, e sem educação.
Acorda no dia 09 de novembro. Dia do Gabarito do ENEM e do aniversário de 7 anos da  filha.  Não lê jornais e no trabalho recebe a notícia de Trump eleito. Acorda de  um sonho cinza do tipo Matrix misturado com House of Cards. Imagina o ENEM de 2017 se é que ainda haverá ENEM e ainda haverá 2017.


Seguidores